eInsider na BGS 2019: A ascensão de Magic The Gathering Arena

eInsider na BGS 2019: A ascensão de Magic The Gathering Arena

Magic The Gathering é um jogo que, se alguém ainda não ouviu falar, é porque não conhece a história dos jogos, alguns dizem. O primeiro dos card games, fez parte de uma geração de apaixonados pelas histórias contadas nos RPG’s e atraiu milhões de fãs pelo mundo todo. Desde 1993 o jogo vem recebendo expansões, a mais recente delas lançada no início deste outubro.

E, para surpresa de alguns e alegria de muitos, o lendário card game ganhou uma versão moderna. Magic The Gathering Arena teve sua versão beta lançada em 2018, e em 27 de setembro de 2019 ganhou sua versão definitiva. A Wizards of the Coast, desenvolvedora do jogo físico, esteve na BGS 2019 para apresentar ao público a versão digital de um dos card games mais populares do mundo.

O eInsider entrevistou Carolina Moraes, representante da Wizards of the Coast Brasil, para falar um pouco mais a respeito do lançamento de Magic The Gathering Arena.

Entrevista – Perguntas e Respostas

Esta entrevista foi realizada em 13 de outubro, 2019.

[eInsider] A minha primeira pergunta seria: em um cenário de card games como nós temos hoje, tivemos alguma variantes. Como Hearthstone, que acabou, digamos assim, “criando” o seu próprio jogo, e o Yu-Gi-Oh!, da Konami, que adaptou seu formato para a versão digital (Yu-Gi-Oh! Duel Links). E Magic The Gathering Arena acabou trazendo o jogo mais próximo ao jogo oficial, ou seja, uma versão já existente. Por que esta opção de trazer o jogo quase que 100% igual ao card game original?

[Carolina] Em primeiro lugar, acho que é importante a gente lembrar que Magic The Gathering tem mais de 26 anos. A gente não fala que ele é o “pai” dos card games, é o “avô” dos card games, ele é o trading card game clássico. Quando a gente pensou em fazer o MTG Arena, a nossa ideia era entrar forte no cenário de esports, então era muito importante que o jogo fosse o mais próximo, idêntico, ao que a gente tinha no card game físico.

Até porque a gente tem uma comunidade muito desenvolvida, são 26 anos de história, e jogadores profissionais já muito engajados. Conforme a gente abriu o beta, a gente já começou a organizar alguns campeonatos com o MTG Arena, nosso cenário competitivo já está “rolando”, já tem sido muito bem recebido. O lançamento oficial, para a gente, é uma espécie de confirmação do nosso sucesso. Estamos estabelecidos no mercado, entramos no cenário de esports e, a partir de agora, eu acho que a gente só tende a crescer.

[eInsider] Muito obrigado, e aproveitando sobre isto, em um país como no Brasil, onde os card games não têm um público, um alcance tão grande como acaba sendo lá fora, por conta de acessibilidade [financeira] e outros fatores. Qual seria a estratégia que a Wizards of the Coast tomou para atrair mais jogadores, atrair mais público, para o MTG Arena?

[Carolina] A principal estratégia do jogo é o fato de ele ser grátis, então basta você baixar e já começar a jogar. E a premiação no jogo, conforme você cumpre suas missões, ela é bacana, ela é legal! Você consegue, tranquilamente, fazendo as missões diárias, abrir pelo menos um pack no jogo por dia. Outra coisa que a gente fez, conforme a gente foi desenvolvendo, foi lançar um tutorial totalmente didático, o jogo já está disponível totalmente em Português, como foi também criar a árvore de maestrias.

Então, conforme você vai fazendo suas missões diárias, você não ganha somente gold, você também ganha pontos de experiência. E estes pontos de experiência vão fazendo você subir de nível, e quando você sobe de nível, você ganha mais prêmios.

Sistema de nível em MTG Arena
Ao se completarem níveis, recompensas são oferecidas aos jogadores de MTG Arena. (Divulgação / Wizards of the Coast)

[eInsider] Ainda falando sobre o cenário brasileiro, como vocês pretendem fazer, digamos, este avanço no cenário, em relação aos esports? Foram anunciadas iniciativas, digamos, globais, como os Mythic Championships, a separação dos Mythic Points dos Player Points para separar os ecossistemas [físico e digital], como vocês irão atacar o cenário brasileiro?

[Carolina] Duas coisas importantes para dizer ao pessoal: quando a gente fala em estratégia global a gente também inclui Brasil e América Latina. Da mesma maneira que o japonês vai entrar no MTG Arena, o brasileiro, o russo, o americano, seja lá quem for, vai estar jogando MTG Arena da mesma maneira. A gente não divide o nosso servidor por local, o servidor é global.

Mas do que se diz respeito ao [que é] focado no mercado nacional, a gente criou uma estratégia nova de evento, são eventos que dão mais autonomia para a região. Ao invés de organizar tudo da maneira como o “gringo”, o internacional, gosta de fazer, a gente estabelece relação de parceria com lojas parceiras, lojas que a gente tem um bom relacionamento, para que elas possam organizar o evento de maneira mais próxima à realidade local.

Até porque ninguém melhor que nós, brasileiros, para entendermos como o Brasil funciona. No final do ano, agora, vai rolar a final da LATAM Magic Series, que é uma dessas iniciativas. É um teste que a gente fez, eu acho que tem dado muito certo, as lojas todas na América Latina se registraram para organizar seu classificatório, e no final do ano a gente vai ter agora a final. Vai ser, se não me engano, na MAX Arena e, apesar de ser físico, ela dá classificatória para jogar eventos internacionais, tanto digitais como analógicos.

Javier Domínguez, vencedor do Mythic Championship V, de 2019
Javier Domínguez venceu a Mythic Championship V, no último dia 20, e levou US$ 100.000,00 para casa (Divulgação / Magic Esports)

[eInsider] Falando mais dessa questão dos ecossistemas, como acabamos mencionando, como é que vocês atendem as bases de jogadores que vocês têm, tanto no card game físico como no card game digital? Já que, por agora terem dois ecossistemas diferentes, então as necessidades podem acabar sendo diferentes umas das outras?

[Carolina] A mudança entre os dois ecossistemas foi muito orgânica. Por exemplo, no físico, as coisas continuam sendo como elas sempre foram. Os jogadores vão até uma loja, uma loja parceira, eles participam de eventos. Conforme eles participam desses eventos, eles são classificados para eventos internacionais.

Já no MTG Arena, a gente tem um sistema ranqueado. No nosso sistema, a gente vai do nível Bronze até o nível Mítico. A partir do momento em cada temporada, mês a mês, quando você chega ao nível Mítico, você ganha pontos para se classificar para jogar um evento dentro do MTG Arena. É um classificatório, dura um final de semana inteiro. Se você passar nesse classificatório, for bem e vencer, aí você já pode jogar um Mythic Championship, que é um evento no topo da base.

[eInsider] Agora, voltando um pouco para a parte de estratégia, o MTG Arena foi criado para ser um nicho totalmente novo em relação ao Magic, ou ele também tem a intenção de popularizar o card game físico?

[Carolina] Exatamente, ao contrário do que muitas pessoas pensam, a iniciativa do MTG Arena não está aqui para poder substituir o jogo analógico, muito pelo contrário. Ela está aqui para ajudar a popularizar. A gente observou que um jogo digital de sucesso, ele só fortalece a comunidade do game físico. Além disso, muita gente que tinha parado de jogar Magic, por motivos, seja porque começou a trabalhar, ou foi para a faculdade, ou porque casou, teve filhos…

Pessoas que não têm mais aquele tempo de ir à loja, essa galera começou, voltou a jogar Magic The Gathering, justamente por ter acesso a ele no PC. Aí você pode jogar ele a hora que você quiser! Outra coisa bacana é chamar a atenção de uma geração mais jovem. Tem muita gente, poxa, tem uma geração atual – a galera que é mais “molecadinha” – eles não estão acostumados a essa paradigma de ter só um jogo físico. O negócio para eles é totalmente digital, então está tudo bem, também!

Então a gente está expandindo o nosso público-alvo, a gente está popularizando ainda mais o Magic e – sejamos sinceros – ter o digital é ter uma forma a mais de jogar!

[eInsider] E uma última pergunta: qual seria o impacto de cada lançamento das expansões físicas na versão digital? Alguns jogos acabam tendo estes releases físicos primeiro, e depois acabam chegando no [release] digital com um certo atraso. Existe este atraso, digamos, no Magic The Gathering Arena?

[Carolina] Não, muito pelo contrário: a gente tenta lançar o mais próximo possível. Na verdade a gente lança primeiro ele no digital, para lançar depois no físico. São poucos dias de diferença, vou dar um exemplo: a nova coleção, Tronos de Eldraine, a gente lançou ela no digital em 26 de setembro, e no físico, o lançamento oficial foi no dia 4 de outubro.

[eInsider] Perfeito! Gostaríamos de agradecer pelo seu tempo, pelas suas palavras. Gostaríamos, claro, de desejar sucesso para a comunidade do Magic, especialmente com o lançamento do Arena.

[Carolina] Poxa, obrigada!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *