Chegamos à reta final!

O final da quarta semana de CBLoL decretou a metade da temporada regular e o começo, frenético, da corrida pelos playoffs. A segunda etapa de 2017, até então, vem sendo o CBLoL mais disputado de todos os tempos, com séries pegadas, repletas de empates e a classificação extremamente embolada, com 6 equipes brigando ferozmente pelo topo da tabela.

A chegada do meio do CBLoL é uma hora oportuna para medir as performances das equipes em relação ao que se era esperado antes do começo da competição, apontar os trunfos de cada uma e, em alguns casos, apontar erros críticos que devem ser reparados para a reta final do campeonato.

(As equipes estão ordenadas de acordo com as respectivas classificações na temporada, seguindo a tabela de pontuação oficial do CBLoL encontrado no br.lolesports.com)


(Divulgação/Riot Games)

Team oNe: Uma das gratas surpresas dessa etapa. A equipe liderada por 4Lan e Brucer surgiu com a aquisição da vaga garantida pela INTZ Genesis após boa campanha no Circuito Desafiante e, aproveitando grande parte do elenco original, vem cravando ótima campanha contra os grandes do CBLoL. Com passagens no próprio CBLoL, 4Lan e Brucer vem tendo um papel importante de “dar uma cara” para a equipe, aumentando o poder dos aurinegros unindo seus potenciais individuais somados à experiência já adquiridas em outras etapas do CBLoL. Outro grande nome do time é o de seu coach, Neki, que também é um dos responsáveis na formação dos novatos e em trazer experiência para a equipe.

O futuro da atual líder do campeonato só depende deles mesmo. Com três séries complicadas até os playoffs (CNB, RED Canids e paiN Gaming), a Team oNe conta com seus destaques para encaminhar uma “campanha dos sonhos” e chegar às semifinais em sua primeira participação no CBLoL.

(Divulgação/Riot Games)

ProGaming: Com um plantel que já alcançou o top 4 do CBLoL em etapas passadas, a ProGaming voltou à elite brasileira nessa segunda etapa e veio para ficar. Composta por nomes já conhecidos do cenário e que, em outras etapas e equipes, se destacaram entre os melhores, os Caveiras vêm despontando no CBLoL com grande conhecimento de jogo, séries espetaculares e bastante gritaria.

Liderados por Professor, um dos jogadores mais carismáticos do CBLoL, uma figuraça que vive o jogo com muita emoção, a ProGaming ocupa atualmente o segundo lugar da tabela, apenas um ponto atrás do primeiro colocado. A PRG bate de frente com grandes organizações do cenário e foi a única equipe a bater a líder Team oNe em uma série, assim se mantendo a única equipe invicta em séries dessa etapa, até o momento.

Caso continuem com as grandes atuações e ótimas leituras de jogo, o caminho para os playoffs pode ser bem tranquilo para a ProGaming, apesar de ter três pedreiras nas próximas semanas (paiN Gaming, INTZ e CNB).

(Divulgação/Riot Games)

paiN Gaming: A maior torcida do Brasil está em alerta, por um bom motivo. Faltando apenas 3 rodadas até os playoffs, a paiN Gaming liga o sinal amarelo e já está em alerta com suas chances de classificação. Empatada com outras 3 equipes na casa dos 7 pontos, a paiN tem pela frente uma das agendas mais complicadas, se não a mais complicada, pela frente. Enfrentando PRG, Keyd e Team oNe, a equipe da Tradição batalha diretamente contra seus adversários por uma vaga nas semifinais.

Apesar dos encontros complicados à frente, Kamikat e cia chegam à metade do CBLoL com um bom retrospecto apesar das baixas sofridas pela equipe antes do começo da segunda etapa. Sem MiT e SirT, a paiN conseguiu adaptar sua equipe com JuC e Tay para a etapa e, apesar da derrota para a RED na abertura do CBLoL e os duelos contra adversários mais fracos nas primeiras semanas, conseguiram bons resultados recentemente e vêm mostrando melhoras dentro de jogo. Mesmo assim, sinal amarelo para os rubro-negros pois qualquer deslize nas próximas semanas pode ser fatal para uma campanha de playoffs.

(Divulgação/Riot Games)

RED Canids: Donos de um dos estilos de jogo mais coesos na temporada passada e atuais campeões do CBLoL, a Matilha começou o CBLoL jogando bem abaixo do esperado, porém já esboça reação.

Campeões incontestáveis da primeira etapa, a RED Canids voltou para o CBLoL com novidades. Com a saída de seu técnico Gevous, ainda durante o MSI, foi anunciada a chegada de Brokenshard para a comissão técnica e, mais recentemente, a adição do suporte português Rhuckz. Os dois novos membros da Matilha vêm apresentando resultados diferentes, muito devido à expectativa que existia sobre cada um deles, sendo o coach Brokenshard desnecessariamente criticado por alguns devido ao seu estilo e, às vezes, culpado pelas derrotas, enquanto Rhuckz, com pouco tempo de casa, se mostrou um substituto perto do nível do francês Dioud, ganhando titularidade em algumas séries.

A RED Canids apresentou uma melhora nas últimas semanas e, em comparação à Keyd da primeira etapa de 2017, pode estar traçando um bom, porém tardio, caminho para os playoffs. Não se pode ignorar o fato de que são os atuais campeões e extremamente experientes, sendo esses fatores peças fundamentais para uma possível campanha de finais.

(Divulgação/Riot Games)

Keyd Stars: Enfrentando problemas desde a primeira semana, a Keyd encontrou em uma “gambiarra” a solução para grande parte de seus problemas. Substituindo Ziriguidum e, consequentemente abrindo vaga para Juzinho, o ex-atirador Esa assumiu o suporte da equipe de estrelas e mostrou que consegue ter imenso impacto no jogo mesmo em outra posição.

Com um começo lento e descoordenado, a Keyd se encontrou a partir da segunda semana e iniciou sua campanha até o bolo de times que possuem 7 pontos. Muito devido à mudança de Esa para o suporte da equipe, os guerreiros da Keyd conseguiram se renovar dentro do Rift e deixar de lado o começo lento que os assolou na etapa passada, os mantendo vivos na corrida pelos playoffs.

Mesmo com uma tabela fácil nas primeiras semanas, a Keyd Stars mostrou na série contra a ProGaming que, com sua nova formação, tem capacidade de aplicar ótimos jogos explorando os pontos fortes da equipe de maneira exemplar. Os resultados recentes da Keyd são fruto de um trabalho da equipe inteira para alcançar a fase final e, se continuarem com isso, os playoffs estão perto de ser uma realidade.

(Divulgação/Riot Games)

INTZ: Os intrépidos voltaram, dessa vez mais fortes e com mais cartas na manga.

A adição do caçador Shini para o plantel intrépido foi, por muitos, considerada a grande transferência dessa etapa. Vindo do Circuito Desafiante, na recém promovida INTZ Genesis, Shini sempre foi considerado uma das maiores promessas do cenário brasileiro e vem justificando dentro de jogo essa alcunha. Substituindo Turtle, que tem mantido atuações sólidas e focadas em toda a equipe, Shini inicia ou entra na formação da INTZ durante as séries como um jogador mais agressivo e com mais capacidade de desmontar a equipe adversária.

Além do caçador, outros destaques da equipe são o meio Envy que, caso continue a crescente em que se encontra desde a primeira etapa de 2017, pode cravar um lugar entre os Top 3 jogadores da posição, e da dupla da rota inferior Micao e Jockster. A experiente dupla continua se reinventando a cada semana e, contando com sua bagagem aliada à presença do grande técnico Peter Dun, vem ajudando a guiar os jovens jogadores intrépidos ao topo da tabela.

Semifinalista na etapa passada, a equipe da INTZ tem cartas na manga e novas armas para uma possível disputa dos playoffs. Antes da fase final, os intrépidos precisam evitar tropeços e manter a boa fase que acompanha esse plantel desde sua formação, na etapa passada.

(Divulgação/Riot Games)

CNB: É difícil falar sobre os blumers sem taxar a equipe como a decepção da etapa. Com um mesmo plantel que atingiu a grande final da segunda etapa de 2016, a CNB vem encontrando dificuldades dentro e fora de jogo e, atualmente, ocupa a lanterna juntamente com TSHOW, não tendo pontuado até agora no campeonato.

A CNB, logo na primeira semana, mostrou dificuldades em certos momentos da série, não conseguindo finalizar as partidas e cedendo muito espaço para os adversários devido à erros que uma equipe de CBLoL não deveria cometer. Durante a primeira metade da etapa, na tentativa de corrigir esses erros, os blumers optaram por mudanças inesperadas, tais como uma inversão de posições entre Minerva e Wos, a titularidade de Vash, porém jogando na selva, e até a contratação do suporte dinamarquês Visdom, numa tentativa de melhorar a coordenação da equipe dentro de jogo.

Mesmo iniciando a etapa com uma comissão técnica reformulada, a contratação de um novo jogador e mudança de posição de outros, as deficiências que perseguem a CNB, desde a temporada onde foram finalistas, continuam escancaradas e estão sendo exploradas de maneiras mais eficientes pelos adversários.

A equipe está em alerta vermelho para a reta final de CBLoL pois qualquer tropeço e combinação de resultados pode resultar num possível rebaixamento automático de uma das organizações mais antigas do país.

(Divulgação/Riot Games)

TSHOW: De os “reis do Desafiante” para a lanterna do CBLoL, a equipe campeã do circuitão vem tendo problemas graves e não consegue demonstrar 10% da qualidade que garantiu a promoção automática para a equipe na etapa passada.

Formada por um elenco de promessas do Desafiante, a equipe da TSHOW adquiriu dois veteranos do CBLoL para a disputa da segunda etapa, porém isso não tem se mostrado o suficiente para esboçar qualquer reação da equipe. Com jogos completamente apáticos e repletos de nervosismo, o time campeão do Circuito Desafiante divide a lanterna do campeonato com a CNB mas, diferente dos blumers, mostra um nível e jogo bem abaixo do necessário para manter uma equipe na divisão de elite do LoL brasileiro. Em comparação à etapa passada, os Bodes da TSHOW não conseguiram o feito da REMO Brave, que veio a ser rebaixada automaticamente, de pelo menos empatar uma série na primeira metade da competição.

Se o alerta da CNB era vermelho, a TSHOW está em estado de calamidade e, caso não consigam se impor nas próximas semanas, é bom já se preparar para o pior, seja na disputa da série de promoção ou o rebaixamento automático.


Os Suplentes – Uma ótima opção

Uma das grandes armas da RED Canids na campanha passada foi poder contar com seus dois reservas na reta final da competição. As mudanças no estilo de jogo da equipe que as entradas de Sacy e Yoda impunham eram perceptíveis e tinham um impacto grande nas partidas, colocando os adversários em uma situação inesperada e sem respostas para as substituições. As mudanças antes e durante as séries também foram utilizadas pela paiN Gaming, obtendo resultados próximos à Matilha.

Seguindo a filosofia das 14 mãos que ergueram a taça, outras equipes do país optaram pela inscrição de reservas “efetivos” para a segunda etapa, e eles têm sido importantíssimos.

Do lado da atual campeã do CBLoL, a RED Canids acertou a contratação do suporte português Rhuckz. A chegada do suporte não foi colocada como uma ameaça para o francês Dioud, até então titular absoluto da equipe, e sim como uma alternativa para explorar um dos trunfos da equipe da etapa passada. Na expectativa de modificar o estilo de jogo, juntamente com possíveis mudanças entre brTT e Sacy durante séries, a Matilha trouxe um substituto à altura de Dioud e com ótima capacidade de adaptação à sua dupla de rota.

(Divulgação/Riot Games)

As mudanças envolvendo reservas também aconteceram no lado dos guerreiros da Keyd que, após a detecção de um problema na rota inferior, fizeram uma mudança improvável que ajudou bastante na busca por grandes resultados. Alterando a posição do atirador Esa para suporte e abrindo espaço para a entrada do atirador Juzinho no time, a Keyd mostrou uma dupla da rota inferior extremamente agressiva e com grande impacto individual dentro do jogo, aproveitando do potencial de shotcalling de Esa para coordenar a equipe de uma posição mais dinâmica.

Outra equipe que optou por reservas foi a CNB. Com problemas graves desde a Semana 1, os blumers contrataram o suporte dinamarquês Visdom, que teve passagens pela Liga Turca e foi parte do plantel da G2 na Europa, com a expectativa de alterar o comportamento dentro de jogo da equipe, se aproveitando da característica de shotcaller do novo suporte. Apesar da mudança, os blumers não encontraram resultados mas vêm demonstrando que pretendem alterar a equipe caso seja o caminho para cravar a permanência no CBLoL.

A filosofia de mudanças não poderia ser diferente para as equipes do topo da tabela. Team oNe e ProGaming também optaram por mudanças durante as primeiras semanas desse CBLoL, tendo os aurinegros substituído o meio Brucer por Marf na última semana e os Caveiras da ProGaming optado por um rodízio entre Zuao e Ranger na selva da equipe.

(Divulgação/Riot Games)

Em busca de mais pontos de vista, o eInsider conversou o atual analista da IDM Gaming e eterno analista de Twitter, Eduardo “etsblade” Souza, com colunista do LoLesportsBR, Luis “River” Mello, e os analistas do CBLoL, Gustavo “gstv1” Cima e Gustavo “Melão13” Ruzza. Também contamos com a opinião do nosso Cometa Halley pessoal, o grande João Vitor “Fokinha” de Faria.

Começando pelo analista mais preciso do CBLoL, o ex-jogador Gustavo “gstv1” Cima acredita que o caminho para playoffs já está se desenvolvendo, esperando que as equipes apresentem maior nível para disputa dessa reta final:

“Até agora o CBLOL surpreende. A primeira impressão é que esperava uma disputa mais acirrada, no ano passado os times evoluíram bastante pra segunda etapa mas o que parece é que nesse ano a segunda etapa veio num ritmo fraco, talvez o pequeno espaço de tempo entre as duas tenha saturado um pouco os jogadores já que os jogos vem evoluindo, mas é algo que esperava que já estivessem num ritmo maior desde o começo. Sobre as semis elas já estão se encaminhando, por enquanto a tabela parece bem difícil pra Keyd e paiN, os outros 4 times na disputa ainda enfrentam um dos dois lanternas e tem cara de ser jogo mais fácil.
Expectativa para os jogos é que o nível cresça, dado um tempo maior para as equipes se prepararem e o mundial batendo na porta acho que o cenário tende a dar um pique maior.”
Gustavo “gstv1” Cima

O redator do LoLesportsBR, Luis “River” Mello abordou, utilizando seu conhecimento proveniente da cobertura do Circuito Desafiante, o Circuitão,  sua surpresa quanto ao desempenho da TSHOW em sua primeira etapa no CBLoL e, tomando como base o que foi apresentado até agora, como serão as últimas rodadas para as equipes do topo da tabela:

“O time que mais me surpreendeu negativamente foi a T Show. É impressionante ver o quão dependente eles eram do Nyu, para a saída dele ter feito o time ter uma queda de rendimento tão grande assim. Confesso que fiquei um pouco chateado com o baixo desempenho deles até agora, enquanto os outros times do Desafiante, que é um cenário pelo qual tenho bastante apreço, tão indo tão bem assim. Gostaria de ver a T Show pontuar – não sei o quanto eles estão se dedicando, mas se for com a mesma paixão que eles mostraram na final do Desafiante, é uma situação bastante triste. Acho difícil e injusto apontar dedos para o B4dd nesse momento, ele caiu de paraquedas na equipe em uma situação longe do ideal. Mas o pior de tudo é que não é só ele que está jogando mal, mas nada na T Show parece encaixar.
Uma surpresa boa certamente foi como a ProGaming e Team oNe têm se mostrado dominantes. Não esperava que esses times fossem conseguir chegar no top 3 de forma tão enfática assim. Acreditava no potencial das equipes, mas achava que demorariam uma temporada sendo times de meio de tabela até disputarem de igual para igual com os times mais tradicionais. A entrada de LUSKKA e Ranger na PRG, e Brucer e 4LaN na T1, foram muito benéficas para os dois times, e deram espaço para jogadores que nesse momento não mereciam, pelo bom jogo deles, atuar no Desafiante. O que mais me surpreendeu na T1 foi como eles montaram um estilo próprio de jogo, com uma composição redondinha, voltada para Olaf e Lucian, e as outras equipes demoraram para aprender a lidar com isso. E o que mais me surpreendeu na PRG foi como todos deram um step-up individual tão grande, e mostraram que só precisavam de companheiros à altura para decolarem. O SkyBart, por exemplo, não vinha de uma fase tão boa assim, mas hoje é, talvez, o melhor topo do país. O mesmo vale para o LUSKKA, ele foi rebaixado, mas reconheceram o talento absurdo dele e agora ele está brilhando. É realmente muito bonito de ver como eles se encaixaram bem. Outro ponto que me anima tanto na PRG quanto na T1 é, ao mesmo tempo em que temos técnicos badalados vindos de fora, temos brasileiros mostrando um ótimo serviço: a dupla Von e Dionrray, e o Neki.
Fiquei um pouco surpreso com o quão equilibrado está esse CBLoL até agora, apesar de CNB e T Show estarem em uma fase complicadíssima, certamente abaixo do nível das outras equipes nesse momento. Acho difícil cravar semifinalistas, mesmo nesse ponto. Tudo pode acontecer, e vai depender de quão bem as equipes continuarem evoluindo até lá. Por exemplo, a paiN: começaram a Etapa bem mal, desorganizados, mas uma semana depois já estavam melhores. O mesmo vale para a Keyd: conseguiram achar uma solução bem inusitada pra um problema que mostravam já há algum tempo, e a aposta que têm feito em novos talentos é algo que precisamos em nosso cenário.
Acho que os times ainda têm falhas claras, e que volta e meia aparecem. Essas três rodadas finais vão ser uma verdadeira prova de fogo.

Falei demais, mas disse pouco pra quem esperava ouvir uma resposta concreta, mas é justamente isso: é realmente *muito* difícil cravar uma tabela final.”
Luis “River” Mello

O nosso pequeno grande analista, Gustavo “Melão13” Ruzza, reforçou que essa segunda etapa de 2017 está repleta de surpresas, boas e ruins, e que estamos presenciando o CBLoL mais disputado de todos tempos:

“Até agora o CBLoL surpreendeu bastante, para o bem e para o mal. No geral, todas as equipes que ainda brigam pelas semifinais estão muito inconstantes. Em uma rodada a equipe mostra um alto nível, para na semana seguinte cometer erros fundamentais. As quatro vagas serão denifidas por quem conseguir aproveitar o atual momento, principalmente a pausa para o Rift Rivals, para arrumar a casa e conseguir manter o nível no mais alto que já mostraram.
Minha previsão inicial sobre os quatro classificados foi Red, INTZ, Keyd e ProGaming e eles ainda estão na briga, mas Team oNe conquistou muitos pontos no início da etapa enquanto Keyd e INTZ ainda se encontravam e paiN mostrou uma evolução grande, bagunçando ainda mais essa briga. Tudo depende de quem não perder pontos para CNB e TShow, que amargam a briga pelo rebaixamento.
Minha principal surpresa posivita é em relação à ProGaming. Tudo indicava que eles viriam para brigar por uma vaga nas semifinais, mas a equipe se mostrou muito mais madura e inteligente do que a maiora, inclusive eu, esperava. Eles são a única equipe que ainda não perdeu uma série e a única que venceu da atual líder Team oNe, mas mesmo assim ainda estão incostantes como todo pelotão de frente.

Esse CBLoL é, realmente, o mais disputado de todos os tempos. Passamos da metade e não dá pra cravar quem será, sequer, semifinalista.”
Gustavo “Melão13” Ruzza

Atualmente parte da comissão técnica da IDM Gaming, que disputa o Circuitão, nosso amigo Eduardo “etsblade” Souza, além de citar motivos para a queda de rendimento das equipes, foi mais adiante e desenhou as possíveis equipes classificadas para os playoffs do CBLoL:

“O split está um pouco estranho, não sei se estranho é a melhor palavra para se dizer, pois a expectativa que a gente tem para um segundo split é que ele seja melhor do que o primeiro. Claro que, às vezes, acontece de uma equipe outra ter um underperform de uma etapa para a outra, como, por exemplo, a MVP na LCK, que não teve mudanças na lineup e o time foi de quarto lugar para, praticamente, último.
No CBLoL, essa segunda etapa tem sido bem mais fraca a primeira. Os times cometendo muitos erros, equipes que pareciam já estar bem definidas, bem estruturadas, mostraram falhas que, até então, já pareciam corrigidas. Acho que o exemplo mais claro disso é a própria Keyd que teve uma melhoria incrível na reta final do primeiro split e no segundo split começou com problemas bem estranhos, que quase remetiam à Keyd que iniciou o primeiro split de 2017. Então é um pouco estranha essa primeira metade de CBLoL devido aos times estarem errando muito e apresentando um nível abaixo do que foi visto no primeiro split.
Quanto a destaques positivos e surpresas, eu acho que a ProGaming, apesar de algumas pessoas já esperarem eles fossem ter uma etapa muito boa, não esperavam que eles seriam o time referência dessa etapa. O Goku está em uma fase excepcional, Skybart jogando um nível muito bom, os dois junglers que a equipe possui jogando no nível que a equipe precisa. O time como um todo, com o Von e o Dionrray na parte técnica, sabe ler muito bem o que pode e o que não pode acontecer dentro de uma partida.
De certa forma, a T1 também me surpreendeu. Eu já esperava que eles fossem jogar bem, mas não esperava três vitórias em quatro séries, sendo duas delas contra grandes equipes que estão disputando as quatro vagas dos playoffs. Nós temos seis times disputando essas quatro vagas, todos eles com perfeitas chances de terminar em primeiro. Não seria justo não citar a Team oNe já que, passada metade do CBLoL, eles são os líderes.
Uma coisa que me surpreendeu foi o quão baixo tem sido o desempenho da TSHOW. Por mais que depois do ban do Nyu e de todas as mudanças que eles fizeram durante a etapa, eu não esperava que eles fossem chegar à Semana 4 ainda jogando bem abaixo de todas as outras equipes. Hoje ainda tivemos a saída do Dezenove (ex-treinador da equipe), em que ele anunciou seu desligamento da equipe. O que ajuda a TSHOW é a nova política de inscrições e substituições de técnicos durante o CBLoL da Riot, onde eles não vão ser mais punidos e sofrer mais com esse problema. Eu não diria que é uma surpresa negativa ou positiva, mas a CNB tinha tudo para brigar na ponta e até agora não pontuou, isso não é uma surpresa, é um susto.
Eu acredito que ProGaming e Team oNe já estão com suas vagas nos playoffs garantidas. Na ProGaming eu vejo um jogo muito bom, plenas condições de conseguirem resultados positivos na sequência do campeonato, por isso acredito que eles vão estar entre esses 4 times (dos playoffs). A Team oNe eu já vejo garantida entre os quatro por questões matemáticas, eles conseguiram muitos pontos contra equipes importantes e já estão perto da pontuação mínima para se classificar.
Dentro desse cenário que eu desenhei, onde teríamos 4 times disputando as outras duas vagas, eu acredito que as equipes estão bem niveladas. Com o Rift Rivals chegando, isso pode ser gerar um desgaste para RED e Keyd, pode ser que atrapalhe as duas equipes na corrida pelos playoffs, por isso eu aposto por muito pouco em INTZ e paiN para as duas vagas restantes.”
Eduardo “etsblade” Souza

Fechando essa coletânea de depoimentos, o Cometa Halley em pessoa, o membro da staff do eInsider que só aparece uma vez a cada 3 meses, ex-analista do cenário brasileiro e o Xamã dos Números™, nosso companheiro João Vitor “Fokinha” de Faria abordou o quão surpreendente esse CBLoL tem sido e apontou que tudo pode acontecer nessa reta final:

“Se fosse pra definir esse Split do CBLOL em apenas uma palavra, o termo surpreendente é o primeiro que vem à minha cabeça. Essa é, de longe, a temporada do CBLOL mais imprevisível, o que é excelente para os fãs e para quem tem interesse para surpresas. Entretanto, do ponto de vista técnico, o que vi até então é um pouco preocupante. Considerando os 6 times que estão na luta pelos playoffs, é possível dizer que todos eles tem algum problema óbvio (e facilmente explorável) em seu jogo e/ou são inconsistentes. Isso faz com que toda semana seja um perde e ganha sem fim entre esses times, pois o resultado de uma série muitas vezes vem sido definido pelos pontos fortes e fracos do estilo de cada equipe e não necessariamente pelo seu nível de jogo. Vamos ver se nessa reta final alguém vai consertar seus problemas e dar um grande passo em direção ao mundial desse ano.”
João Vitor “Fokinha” de Faria


Analisando as situações de cada equipe e suas posições na tabela, fica bem fácil dizer que essa etapa do CBLoL está bastante embolada e aberta e que teremos uma corrida pelos playoffs bem disputada. Mesmo que, matematicamente, todas as equipes ainda estejam na disputa pelas quatro vagas das semifinais, o top 6 da tabela vem apontando o crescimento que se espera de uma equipe em um torneio de tiro curto e, caso todas continuem correspondendo às expectativas nas próximas semanas, é bem possível que tenhamos que usar (e abusar) dos critérios de desempate ao final da sétima semana de disputa.

 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *