CNB consegue sua revanche contra a Keyd e avança na Escalada

CNB consegue sua revanche contra a Keyd e avança na Escalada

Na Escalada da Primeira Etapa do CBLoL 2018, a CNB teve o sonho da semifinal completamente destruído pela Vivo Keyd em um 3×0 ressonante. O destino (e a tabela) acabou colocando as duas equipes frente a frente exatamente na mesma fase da Escalada da Segunda Etapa, e se no começo do ano faltou espírito para os Blummers, dessa vez eles lutaram muito, levaram a série para a quinta partida somando 201 abates e conseguiram subir para o próximo degrau rumo a Porto Alegre.

O primeiro jogo já começou com surpresa na escalação. Entrando com Brucer, Yampi, Rakin, Baiano e Robo no Rift, o último optou por uma Xayah para formar dupla com o Rakan de Baiano, e foi por lá que o início do jogo rodou. Uma jogada surpresa no nível 1 tirou os dois feitiços do TK de Jockster, resultando minutos depois no First Blood para a CNB no bot. A partir dai e de um gank de Yampi com seu Jarvan no topo, o efeito bola de neve dos blummers se inicia.

A CNB gerencia bem a partida com um duo Xayah e Rakan bastante eficiente, Yampi acertando ults importantes e Brucer e Rakin, de Ryze e Lisandra, encaixando dano e controles de grupo para vitórias em lutas. Nem mesmo um barão roubado por Revolta aos 23 minutos de jogo conseguem ajudar a situação da Keyd, e a CNB conhecendo sua vantagem vai para cima da base dos guerreiros, ainda que um pouco descoordenada as vezes. A vitória chega aos 32 minutos após uma segunda luta no barão, conferindo 4 abates para a CNB e o bônus.

Dois abates para a CNB no comecinho da segunda partida pareciam ser o início do fim para a Keyd, mas tockers e Jockster conseguiram se encontrar no estúdio e brilharam. O primeiro foi importantíssimo com sua LeBlanc para garantir abates chave e desestruturar a composição da CNB voltada para lutas, e o segundo deu uma aula de como se joga de Pyke com ótimas iniciações e muitos abates. Quando foi o momento dos blummers se juntarem, eles não tinham o poder e nem a visão necessários para romper a formação da Keyd. Muitos chamariam de jogo clean.

(Divulgação / Riot Games)

Com a série empatada, as duas equipes entraram para a terceira partida com sangue nos olhos, marcando 17 abates em apenas 11 minutos. A ação continuou por todo o jogo, com a Vivo Keyd tomando a dianteira inicialmente com boas movimentações de tockers usando Galio, até que a CNB conquista três abates em uma luta no bot, muda seu foco para o barão e tira um pouco do momento negativo que tinha no jogo.

A CNB tenta avançar no mapa com o bônus, mas ainda assim as teamfights reinam e as duas equipes intercalam quem sai na vantagem em cada uma. Um pickoff no Yampi aos 31 minutos era tudo o que a Keyd precisava, a equipe corre para ter sua vez no barão e… leva o ace 4×5 em uma luta que os guerreiros não conseguem se decidir se atacam ou fogem. 2×1 para a CNB.

Se a terceira partida já foi exótica, a quarta poderia muito bem ser confundida com um ARAM. De um lado, a CNB aposta em movimentação pelo mapa com quatro teleportes e uma composição de Braum, Karthus, Galio, Camille e Sejuani, enquanto do outro a Vivo Keyd traz uma composição para resistir e alongar as lutas com Renekton, Trundle, Ryze, Swain e Pyke, e é exatamente isso que acontece.

Praticamente todas as lutas e ganks planejados pela CNB acabavam saindo do controle, por mais que parecessem garantidas, e de pouco em pouco a Keyd acumulava ouro e objetivos. A luta que mais traduziu esse cenário, e decidiu a partida, foi aos 31:30: a CNB consegue o primeiro abate no Jockster, machuca muito os outros campeões, mas uma Zhonia bem utilizada pelo MicaO segura a luta tempo suficiente para tockers limpar dois, separar os seus adversários e terminar a luta 3×1. Um barão e uma empurrada foram o suficiente para empatar a série em 2×2.

Depois da tempestade, a calmaria. Diferente dos jogos passados, ambas as equipes escolheram composições mais conservadoras, apesar de escolhas de Ashe para MicaO e o lendário Xin Zhao do Revolta. Mesmo com sua rota inferior sendo abatida duas vezes no início, a Vivo Keyd se mostrou melhor no early e conseguiu uma vantagem duradoura de abates e ouro. No entanto, era a CNB quem conseguia rotacionar melhor no mapa, adicionando um arauto, quatro torres e três dragões para sua conta.

A Vivo Keyd tinha a vantagem, mas não conseguia construir lances decisivos. Sua contagem de torres aumentava, mas os Blummers se seguravam nas lutas e até saiam na vantagem em alguns duelos. Eles pegavam o barão, CNB pegava o dragão ancião. Foi então que, aos 46 minutos, o dano dos carregadores da CNB já é maior do que os tanques da Vivo Keyd conseguem encarar, eles encaixam uma luta incrível na selva vermelha para abater grande parte dos Guerreiros e conquistar o 3×2 e a tão sonhada vaga na semifinal.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *