De volta à caçada

De volta à caçada

Uma campanha promissora, porém amarga, na etapa de abertura, com um dos planteis mais recheados da primeira edição 2018 do CBLoL, não foi sinal de acomodação para uma das mais novas gigantes do League of Legends brasileiro. Campeões na primeira etapa de 2017 e, consequentemente, representantes brasileiros no MSI sediado no Rio de Janeiro e São Paulo, a Matilha se reformulou para 2018 visando repetir o mesmo sucesso do ano anterior onde, com nomes até então questionados, alcançou o ponto mais alto do primeiro semestre do circuito competitivo brasileiro.

Se em 2017 o triunfo da RED Canids veio de apostas em jogadores contestados como um até então considerado somente streamer, Felipe “YoDa” Noronha, uma reedição da botlane da paiN 2015, com Felipe “brTT” Gonçalves e Hugo “Dioud” Padioleau, e uma das cabeças do vitorioso esquadrão Intrépido, o meio Gabriel “tockers” Claumann, em 2018 a organização mirou em um voo um pouco mais alto. Passando por uma reformulação completa na equipe titular, porém com as peças remanescentes da campanha do título no grupo, a Matilha investiu pesado e  buscou jogadores da liga sul-coreana, a LCK, montando uma das equipes mais hypadas da primeira etapa.

Plantel da RED Canids campeão da primeira etapa de 2017 (Divulgação/Riot Games)

As chegadas dos sul-coreanos Kim “Sky” Ha-neul e Park “Winged” Tae-jin, juntamente com o topo brasileiro Pedro “LEP” Marcari, alavancaram as esperanças da RED Canids repetir o feito de 2017, com expectativas de alcançar uma grande campanha no MSI, caso garantissem a classificação. O investimento que é a contratação de dois grandes jogadores sul-coreanos se equipara ao recente panorama do cenário turco, onde quase todas as equipes contam com jogadores provenientes da LCK e têm gerados expressiva melhora do resultados internacionais, os aproximando de regiões major como NA e EU. Sky e Winged, o primeiro que era reserva direto de Faker na SK Telecom T1, enquanto o segundo, vindo da CJ Entus e já conhecido da torcida brasileira por sua passagem pela Keyd Stars em 2014, tinham um grande trabalho pela frente, além de um período de adaptação à nova equipe.

Finalizando a etapa com o terceiro lugar, apesar do empate em primeiro lugar com a KaBuM! e-Sports durante a fase regular, a Matilha não conseguiu superar a desafiante Vivo Keyd na escalada, perdendo por 2-3 a série que dava direito à disputa de título contra a mesma KaBuM! que havia sido uma pedra no sapato na terceira semana regular. Uma derrota amarga, mas que deixou um “gostinho de quero mais” para os rubro-negros.

Em foco: LEP após a derrota para a KaBuM! e-Sports em confronto válido pela terceira semana do CBLoL 2018 (Divulgação/Riot Games)

Apesar da boa campanha, a RED Canids viu na janela de transferências uma ótima oportunidade de reforçar ainda mais a equipe. Com a contratação do ex-técnico da Vivo Keyd e já campeão do CBLoL, Alexander “Abaxial” Haibel, além do intuito de melhorar os resultados do primeiro semestre, a diretoria da Matilha garantiu a permanência de Sky, até então a peça mais importante da equipe, e acertou a contratação do experiente suporte Caio “Loop” Almeida, além de outro caçador após a saída de Winged por problemas de saúde. O sul-coreano Lee “Chaser” Sang-hyun, vindo da poderosa equipe turca 1907 Fenerbahçe, chega à Matilha para acrescentar e com expectativas de performar acima do nível apresentado por seu compatriota. Com essas mudanças, a campeã da primeira etapa de 2017 se mostra como uma equipe que não se acomoda e disposta a investir, seguindo passos de outras grandes regiões do LoL mundial.

A equipe, que antes tinha Winged como maestro, ditando o ritmo de jogo e abrindo espaços para que LEP e Sky tivessem grandes jogos, além de Sacy e Cabu como uma dupla bem consistente na rota inferior, agora conta com Chaser e Loop, o primeiro mecanicamente superior ao antigo caçador e o segundo como uma grande mente dentro e fora de jogo. Ao longo da primeira etapa regular de 2018, com 15 jogos em sua conta e um empate na primeira posição, Winged conseguiu estatísticas bastante elevadas para a posição, porém Chaser, mesmo conseguindo apenas o terceiro lugar e quase o dobro de aparições, supera alguns números do antigo caçador da Matilha:

Jogos Winrate KDA CSM GPM %Dano FB%
Winged 15 80% 4.9 5.5 341 9.7 40
Chaser 28 53,6% 5.6 5.3 337 11.1 39,3%

Em negrito: estatísticas em que são os líderes de suas posições na fase regular da primeira etapa (CBLoL 2018 e TCL 2018)

Acredito que a nova RED ganhou muito com as chegadas do Chaser, Loop e Abaxial.
O Loop agrega muito pela experiência que tem e também pelo fato de ser um ótimo shotcaller.
O Alex é um vencedor e sua dinâmica de trabalho tem permitido que os jogadores tenham ainda mais voz durante os treinos e na hora de montar as composições.
Já o Chaser é excepcional. Toda experiência internacional, alem da sintonia entre ele e Sky tem tudo para render ótimos frutos para nos.
A principal mudança que pude observar foi na comunicação do time, estão com uma sincronia incrível e prontos para o CBLoL, vamos vencer a todo custo.
– Vicenzzo Mandetta – eSports Manager da RED Canids

É evidente a importância de Park “Winged” Tae-jin e sua capacidade de movimentar a partida no desempenho da RED Canids ao longo da primeira etapa de 2018, porém com a chegada de Lee “Chaser” Sang-hyun pode significar em uma Matilha mais enérgica, sendo uma grande ameaça aos caçadores e laners adversários por sua maior agressividade e potencial de incendiar os jogos. Antes função do maestro Winged, a parte estratégica agora pode ser exercida por Caio “Loop” Almeida somando ao grande trabalho já apresentado por Abaxial em outras equipes de CBLoL, tornando a RED Canids, com essas pontuais mudanças no elenco e comissão técnica, a equipe mais “funcional” do CBLoL e grande candidata ao título.  

A RED não mais é uma equipe de 2 ameaças, agora toda a Matilha é uma ameaça.

(Divulgação/Riot Games)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *