Six Invitational 2019: O caminho pedregoso dos brasileiros

Six Invitational 2019: O caminho pedregoso dos brasileiros

FaZe Clan, Immortals, Team Liquid e Ninjas in Pyjamas mais uma vez trilham juntas uma competição internacional de Rainbow Six. Já se encaminhando para Montreal, as equipes vêm finalizando treinos e preparando as malas para a viagem ao Canadá. Até então, as quatro equipes vêm se mostrando bem confiantes em relação ao Six Invitational, como pode ser visto em suas redes sociais.

O que espera pelos brasileiros a maioria já sabe. Jogos disputados, torcidas empolgadas, um frio histórico que atinge a América do Norte… Fatores que, combinados, podem implicar no Six Invitational mais disputado de todos os tempos (Copyrights, Gustavo Dócil, Inc.). Mas há outros fatores em jogo que podem pegar as equipes de surpresa nos dias 11 a 17 de fevereiro.

As previsões podem estar muito distantes da realidade

É certo para muitos que as representantes da América Latina são as equipes no momento mais qualificadas da região. Na Pro League Season 9, por exemplo, elas ocupam quatro dos cinco primeiros lugares (a ReD DevilS está em quarto). No Brasileirão 2019, o cenário é um pouco diferente, tendo a INTZ e a Black Dragons dividindo com elas as seis primeiras posições.

Nas outras regiões, o cenário mudou na passagem de ano. A G2 Esports, campeã do Six Major de Paris e da Pro League Season 8, vem passando dificuldades na Season 9 da Pro League. Amarga, no momento, a sexta colocação. E quem vem dominando na Europa é a LeStream Esport, que contém jogadores da antiga Millenium e Ence. Além da francesa LeStream, há também a esquadra da Team Empire, imbatível no cenário russo. G2, LeStream e Empire estarão no Six Invitational, juntamente com a Penta Esports e a Mock-It Esports.

Team Empire, a nova sensação, e atual líder da Pro League europeia. (Divulgação / Página oficial da Team Empire – empire.gg)

O cenário norte-americano viu a competente equipe da Cloud9 de 2018, que venceu a Dreamhack Montreal, ser adquirida pela Team Reciprocity (exceto pela ex-capitã Goddess), e portanto estará no Six Invitational. A Evil Geniuses manteve sua formação e a SK Gaming, que não estará no Six Invitational, teve sua formação adquirida pela DarkZero Esports. Na Ásia-Pacífico, foram poucas as mudanças de fato notáveis. E quem se junta à Nora-Rengo e Fnatic é a mantis FPS, time que passou por várias organizações ano passado.

E jogar bem as partidas iniciais enquanto escondendo estratégias e analisando os adversários será árduo para as comissões técnicas. Em especial o fato de o balanço dos operadores ter sido bem feito ultimamente, permitindo várias escolhas “surpreenderem”. Por exemplo, Lion está banido até seu rework sair, e Clash não consegue fazer mais o chamado “1v5”, como quando foi lançada.

O fator psicológico: A campanha do Six Major ficou para trás?

Se por um lado é menos previsível como as outras equipes jogarão no Six Invitational, por outro ainda não dá para saber como estão os brasileiros, mentalmente. FaZe Clan, Immortals e Team Liquid fizeram campanhas “para esquecer” em Paris. Os Ninjas ainda chegaram às quartas-de-final e por ali ficaram, mas para uma equipe então recém-montada, o resultado foi excelente.

Immortals, agora com duas competições internacionais de bagagem, tentará o título do Six Invitational. (Gui Caielli / Rainbow Six Esports Brasil – Flickr)

O que mais afetou as equipes brasileiras no Major de agosto foi o fator psicológico, como André “Meligeni” Santos explicou ao eInsider na BGS2018. O nervosismo no palco francês fez com que os jogadores errassem mais. Algumas vezes até cometendo deslizes que normalmente não seriam vistos. A esperança de ver uma equipe brasileira disputando a final do Six Major foi esmagada no segundo dia da competição, e morta no terceiro.

Após o Six Major, teve o retorno da Pro League, em sua fase final, e o início do Brasileirão 2019, tempo que serviu para cicatrizarem as feridas parisienses. E em novembro as finais da Season 8 da Pro League no Rio de Janeiro foram emocionantes. O título acabou nas mãos da G2, mas FaZe e Immortals fizeram um campeonato no geral além das expectativas na Jeunesse Arena.

Porém o título da Pro League ter ficado com os europeus novamente pode ter tido influência do fator psicológico. G2 e Immortals fizeram duas partidas disputadas, com chances reais de vitória brasileira. Até aqui, tudo normal. Mas FaZe Clan versus G2 foi um pouco diferente, tendo a primeira partida disputada, terminando em 6-4. Já a segunda terminou em 6-2, com a virada de defesa para ataque da G2 fulminante, vencendo três rounds seguidos, e o título. A pressão de ganhar o título em casa, de não perder mais um mapa e levar para o terceiro mapa, pode ter sido crucial.

O “cruel” chaveamento do Six Invitational

Dado todo o cenário desde o Six Major, a última competição com 16 times até aqui, é possível estimar algumas poucas coisas. Os brasileiros ainda são a “segunda potência” do Rainbow Six, e francos candidatos ao título do Six Invitational. Ainda terão que superar as cinco equipes europeias, seus maiores adversários. E também evitar cair na fase de grupos para alguma equipe “menor”. Ou melhor, esta era a expectativa inicial antes do sorteio dos grupos.

Os quatro acirrados grupos do Six Invitational 2019. (Twitter / SiegeGG)

O destino não poderia ter “jogado” de maneira mais cruel, de fato. FaZe e NiP irão já se enfrentar logo de cara, e o perdedor pode dar adeus à competição no dia seguinte. A Immortals também não terá vida fácil, enfrentando a líder da Pro League europeia, Team Empire. E a Team Liquid é quem tem maiores chances de passar, mesmo estando no mesmo grupo que G2 e Mock-It.

E a “sorte” com a qual as equipes brasileiras podem contar estão fora do primeiro dia de cada grupo. Isto contando com o fato de FaZe, Immortals, Liquid e NiP não serem favoritas no confronto dos vencedores dos grupos. A tendência é que enfrentem times dos quais possam ganhar, facilmente ou não, nas partidas eliminatórias e decisivas. Ou seja, a chance das quatro equipes passarem para as quartas-de-final ainda são boas.

As expectativas para o Six Invitational

O Six Invitational de 2019 promete ser, desde sua primeira edição em 2017, o mais disputado. Sua premiação em si já passa de 1 milhão de dólares, e promete crescer ainda mais. Similar aos campeonatos de CS:GO, as vendas do Road to Six Invitational e itens do jogo contribuem na premiação total. Esta pode atingir um máximo 2 milhões de dólares.

Além da maior premiação dos torneios de Rainbow Six, a Ubisoft deve ter no Six Invitational a maior presença de público. Espera-se superar os mais de 8 mil participantes das finais da Pro League no Rio de Janeiro. E o espetáculo tende a de fato superar este número, pois será realizado no Place Bell, estádio de hóquei localizado em Québec, com capacidade para 10 mil pessoas.

Com estes detalhes, espera-se ver um belo espetáculo na semana do dia 11 ao dia 17 de fevereiro. A intensidade do torneio deve ser tão grande quanto ou maior que as finais da Pro League no Rio. Mas a torcida brasileira também deve fazer sua parte. Torcendo para uma ou mais equipes, o apoio incondicional conta positivamente, e esse apoio sem dúvidas será o combustível das vitórias verde-e-amarelas.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *