Superliga ABCDE 2019 – Semana 2

Superliga ABCDE 2019 – Semana 2

Mais uma rodada da Superliga ABCDE se passou e a palavra que marcou o final de semana foi evolução. Enquanto alguns times decepcionaram, outros confirmaram seu favoritismo através de vitórias expressivas. Confere aí a nossa cobertura.

Sexta-feira – 16/11

As disputas da semana começaram com os times do grupo B: INTZ x Ilha da Macacada e Redemption x Team oNe.
Em uma série com muitas surpresas e substituições, os intrépidos venceram a Ilha por 2×1. A entrada de “Redbert” nos dois últimos jogos como suporte no lugar de “Tay” foi apontada como um dos grandes fatores para que a equipe pudesse sair com a vitória.

Ao comentar a série, Tay afirmou “Por mais que os jogos tenham sido meio trancados, acho que todos eles estavam na nossa mão… até o primeiro, em que acabamos perdendo, acho que entregamos muito da nossa vantagem. Depois nós conseguimos voltar com uma cabeça melhor e acabamos ganhando deles”.

Quando questionado sobre qual seria o principal erro da equipe no primeiro jogo, o jogador acrescentou: “No primeiro jogo nós tínhamos Nocturne, que é um campeão que você não pode juntar, porque geralmente você quer jogar sidelane, jogar top, jogar bot… e acabamos perdendo numa jogada, porque o jogo estava bom pra gente. Acabamos perdendo um 5×5 em que não era tão favorável para o Noc”.

O jogador também comentou sua recente troca de posição (de top laner para suporte): “Como eu sempre mudei de posição, acho que não é muito difícil pra mim…acho que o mais difícil em si é o fato da lane ser 2×2. Quando você está 1×1 é muito mais fácil de pensar, de reconhecer algum erro e na bot lane são duas pessoas. Acho que jogar de suporte está sendo muito bom pra mim, porque é uma role que você precisa muito mais pensar do que jogar e ver como o jogo é por inteiro, isso me fez pensar melhor nos últimos dois jogos nas minhas ações como top laner”.

Por fim, Tay relacionou seu desempenho com o de LynX na top lane “Ele tem bastante potencial…acredito que ele tem algumas dificuldades de jogar em stage, eu vejo que ele ainda fica bastante nervoso. Mas acho que isso é algo que evolui com o tempo”.

Na próxima rodada INTZ e Redemption fazem o duelo das equipes invictas. Quanto ao confronto, Tay afirmou “Acho que será o jogo mais difícil, porque a RDP é o time mais forte do nosso grupo, junto com a Pain. Acho que pra conseguir ganhar deles teremos que melhorar muito ao longo dessa semana”.

Logo depois, RafaP, analista da IDM, comentou sobre o desempenho do time na série, além de abordar questões de estratégia e do meta.

Com relação ao que mudou entre o primeiro e o segundo jogo, Rafa afirmou “Eu sinto que alguma coisa mudou quando o Redbert entrou, talvez a nível de confiança da bot lane. Não sinto que tenha sido um problema de draft no segundo game, mas não posso tirar o mérito do Redbert, acho que ele fez uma fase de rotas “absurda”, tanto que a gente não quis jogar contra o Rakan dele no terceiro jogo. Acho que a gente tentou resgatar uma rota que já tinha sido perdido naturalmente, ao invés de tentar jogar com a rota que ganharia e trocar esses pesos… deixar eles levarem essa side, mas tentar trocar por outra side”.

Quando questionado sobre a diferença entre draftar do lado azul ou vermelho, o analista colocou que “Quando você tem solo lanes muito proficientes… eu acho que o Worlds já mostrou que você não quer jogar contra a IG do lado vermelho, por exemplo. A gente tem o “Fitz”, tem o “Anyyy”, acho que nenhum time do Brasil vai querer jogar contra a gente do lado vermelho. Claro que nosso lado azul hoje é problemático, mas, nada que um bom trabalho não resolva. Acho que no draft do primeiro game o Maestro cometeu uma falha, a mesma falha que eu cometi no terceiro. Ele queria iniciação e pegou vários champions de iniciação, já eu, no terceiro game, vi algo que tinha dano e quis pegar muito dano, então acho que ambos falharam nisso. Acho que o jogo 2, em termos de draft, foi algo bem parelho.”

Em sobre como duas derrotas seguidas impactam sobre a estratégia da IDM, Rafa acrescentou “Não muda nada, a minha ideia com o Erickão era a de adiantar o máximo possível aquilo que eu acho importante de ter a nível de base, de conhecimento, visando o CBLoL do ano que vem… isso não muda com os resultados daqui.”

Por fim, também comentou sobre o preparo para enfrentar equipes como a INTZ, que tem colocado alguns de seus jogadores em posições diferentes. Sobre essa “imprevisibilidade” das equipes, explicou “Acho que não é algo imprevisível. A gente sabia que com Redbert como suporte e Tay no top o time deles iria ganhar. Estava bem claro que eles iriam fazer isso no jogo 2, eu diria que só passa a ser imprevisível quando existem dois junglers muito bons e que jogam de maneiras diferentes. Por exemplo, na KLG contra G-Rex, eles tinham dois mid laners muito bons e três junglers. Então eu tive que estudar nove pessoas para depois saber quem ia enfrentar a uma semana do campeonato.”
Posteriormente, foi a vez da Redemption engatar uma grande virada ao vencer Team oNe pelo cansaço, finalizando a série com 2×1 no placar. Apesar dos Golden Boys conseguirem vencer a primeira partida de maneira bastante controlada, a RDP foi capaz de conter a mentalidade e a exaustão para garantir a vitória em meio a uma série cheia de pauses nos dois jogos seguintes.

Em entrevista para a equipe da Superliga, o suporte Ceos afirmou “Não fomos bem no começo e desrespeitamos a nossa própria estratégia. Depois disso, graças a nossa comissão técnica, seguimos o plano de jogo e conseguimos a vitória.”

Sábado – 17/11

O segundo dia da segunda rodada da Superliga ABCDE foi surpreendentemente rápido. A paiN enfrentou a Operation Kino e a Vivo Keyd jogou contra a ProGaming. Ambas as séries terminaram em 2×0, sem que as equipes derrotadas oferecessem muita ameaça aos vencedores do dia.

Na primeira série do dia, entre paiN e OPK, a equipe de Minerva e Tinowns dominou os adversários completamente. Na primeira partida, a PNG cedeu apenas dois abates durante todo o confronto, quase alcançando um “jogo perfeito” em uma partida que durou apenas 27 minutos. Na segunda, a OPK incomodou um pouco mais e conseguiu até mesmo levar um inibidor com o split push da Fiora de Aoshi, mas acabou sendo derrotada em 33 minutos mesmo assim.

Em entrevista ao eInsider, Tinowns disse que “O time está bem encaixado, mas também poderíamos ter feito coisas diferentes na segunda partida, que não foi tão limpa quanto a primeira. Poderíamos ter nos afobado menos no segundo jogo e aproveitado as vantagens melhor. Apesar de termos ganho assim, não estamos satisfeitos, temos muito a melhorar ainda. Porém, estamos no caminho certo.” Sobre a escolha da Evelynn para o segundo jogo, o jogador lembrou que “O Minerva é muito confortável com o campeão e há situações em que ela é uma escolha viável”.

Nano, novo suporte da paiN, falou um pouco sobre a sua chegada ao cenário depois da partida. “Como alguém novo no cenário profissional, é necessário ter comissões técnicas experientes e competentes para nos ajudar a adaptar ao ambiente competitivo”. Falando sobre a chegada de novos jogadores, Nano ressaltou que “recentemente não temos nos saído bem em competições internacionais, e mudanças são necessárias, mesmo que signifique mudar os jogadores”.

Aoshi, depois da derrota da OPK, falou sobre a escolha da Fiora na segunda partida. “É uma escolha de conforto minha, então não acho que foi tão arriscado quanto pode ter parecido”. Sobre o desempenho na competição, o top laner afirmou que “A Superliga é uma oportunidade de aprendizado. É claro que gostamos de ganhar e sempre tentamos, mas o foco é melhorar para a temporada”.

A segunda partida do dia, entre ProGaming Esports e Vivo Keyd, também acabou em 2×0. As duas partidas foram rápidas, e a VK não deu espaço para a PRG respirar.

Na primeira partida, a PRG teve um bom início e deu a entender que daria trabalho para os oponentes. Porém, não foi bem assim. Não demorou para a Keyd voltar para o jogo e comandar o mapa, garantindo a vitória em apenas 27 minutos. A segunda partida durou o mesmo tempo, mas foi ainda mais dominada pela VK, especialmente no placar de abates.
Sobre a queda de rendimento na segunda partida, o AD Carry da ProGaming Luskka comentou que “Fugimos do nosso jogo, tivemos erros de comunicação. A série foi boa para aprendermos com alguns erros, principalmente por sermos um elenco novo”. Sobre jogar com um novo suporte, afirmou que “O Wos é um bom jogador e está sendo muito bom jogar ao lado dele”.

Jockster comentou suas escolhas na série. “Lee Sin é um campeão com quem já tenho afinidade, jogava com ele há muito tempo. Não entendo tanto sobre a Camille, meu pick do segundo jogo, mas gosto do campeão”. Sobre as mudanças no elenco, o jogador afirmou que “a minha experiência como suporte me ajuda muito a jogar na selva, e acho que as mudanças têm sido positivas, até porque não vencemos os campeonatos este ano, então mudanças eram necessárias”.

Domingo – 18/11

O último dia da segunda semana da Superliga também foi marcada pelo placar de 2 a 0.
A primeira partida foi entre CNB e Falkol. Os Blumers venceram após duas partidas bem diferentes. Na primeira, foram quase 50 minutos de duração até a equipe encontrar a luta que precisavam. Já na segunda, apenas 20 minutos foram necessários para a CNB destruir o Nexus adversário.

O MVP da série, Yampi, comentou sobre a discrepância entre as duas partidas. “O segundo jogo foi mais parecido com o tipo de jogo que estamos acostumados e confortáveis”. Sobre o novo elenco, o jungler declarou “Confio bastante na mecânica dos novos jogadores, o Duclou mostrou o porquê hoje. O foco é aprender, melhorar e nos prepararmos para a temporada”.

Sobre a mudança na comissão técnica, Yampi apoiou a nova função de Turtle. “É muito bom trabalhar com alguém mais fácil de se comunicar. O Jimmy, americano, era mais frio e às vezes faltava conexão entre os jogadores e o técnico. Com Turtle, acho que estamos todos mais confortáveis”.

O jogo que encerrou a última tarde da segunda rodada foi decidido entre Santos e Bulldozer. A equipe santista venceu com relativa facilidade os adversários com um placar de 2×0 na série.

Durante os jogos, “fNb”, top laner do Santos, era um dos jogadores que mais comunicava dentro da equipe. A respeito disso, ele comentou: “Eu acho que quem dá as calls mesmo é o Boca, mas tento colocar todo mundo na mesma página, pra que todo mundo saiba o que fazer.”

Com relação à entrada do jungler “Prb” e do atirador “Drop”, fNb afirmou “É claro que nosso jogo foi afetado por isso, porque nós já sabíamos como o Erasus e o Trigo jogavam, mas ao mesmo tempo a gente está se dando muito bem. O Drop é um AD Carry muito mais “carregador”, que gosta de jogar com hyper carries e isso fez com que a gente desse muito mais prioridade pra bot side.”

No que se refere aos times brasileiros em que se espelham, Drop comentou “Uso como referência o pessoal da Redemption, até porque eu passei um bom tempo lá. São ótimas pessoas e profissionais incríveis e eu só consegui tirar coisas boas de lá e puxar isso pro Santos tem sido uma coisa maravilhosa, porque tudo está funcionando.

Sobre a segunda derrota consecutiva no campeonato, “KlyOn”, suporte da Bulldozer declarou “Acho que o que mais ganhamos com tudo isso é a preparação para o Circuito Desafiante. Estamos aprendendo muita coisa sobre o jogo, mesmo perdendo. Sabíamos que ia ser muito difícil, mas falhamos muito em termos de comunicação. Creio que a maior diferença entre nós e eles é que eles sabem rodar o mapa muito melhor.”

A Superliga ABCDE retorna amanhã com os confrontos da terceira rodada. Abaixo os próximos embates do torneio.

Sexta-feira (23/11)

18h – ProGaming x CNB e-Sports
21h – Santos x Falkol

Sábado (24/11)

13h – Vivo Keyd x Bulldozer
16h – Team oNe x Operation Kino

Domingo (25/11)

13h – Redemption x INTZ
16h – IDM Gaming x paiN Gaming

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *